Reunião de 20 de maio de 2015 do grupo de estudo de Harmonia

Os conceitos de dominante com sétima foram revistos durante a realização do exercício 214a nº 2, que inclui D na segunda inversão (4-3) como passagem. O exercício 214a inclui várias propostas de sopranos e baixos para harmonização, todos referentes ao tema 15 – Inversões do acorde de 7ª da dominante.

Exercício 214a nº 2

Na situação de passagem com acorde de 7ª da dominante permite-se que a sétima faça movimento ascendente por estar em consonância com o baixo.

Realizamos ainda o exercício 178 nº 7 sobre o tema anterior – o tema 13 – que diz respeito a acordes de passagem e de bordadura. A bordadura no nº 7 surge na cadência plagal.

Exercício 178 nº 7

Reunião de 6 de maio de 2015

Exposição e discussão dos conceitos e padrões para acordes de passagem e para D7.

Acordes de passagem:

observamos no baixo dado o movimento por grau conjunto ascendente no 2º compasso e por grau conjunto descendente no 1º compasso da 2ª frase. As duas situações foram harmonizadas de acordo com o padrão de condução de vozes recomendado: uma das vozes caminha em direção oposta ao baixo, outra faz movimento de bordadura e uma terceira voz fica parada.

Baixo do exercício 178 nº 1 realizado com acordes de passagem:
Exercício 178 nª1

 

 

Acordes de sétima da dominante D7:

A nota Sol b do 1º compasso repetida no 2º foi harmonizada primeiramente como nota fundamental da subdominante e a seguir como a 7ª da dominante resolvendo na 3ª da tônica.
Outros conceitos aprendidos anteriormente como mudança de posição, acorde de 6ª e salto da 3ª no soprano foram também aplicados.

Soprano do exercício 197 nº 3:

Exercício 197 nª3

Reunião de 22 de abril de 2015

Grupo de estudos de harmonia de I. Spossobin

Na reunião de 22 de abril de 2015 foram discutidos os temas 12 e 13.

Do tema 12 foi examinada a condução de vozes dos saltos de 6ª no que diz respeito à ligação harmônica. A ligação harmônica facilita o movimento de salto de 4as e 5asnas demais vozes.

Na condução do baixo foram observados os saltos de 4ª e 7ª diminuta, que são preferidos aos saltos de 5ª e 2ª aumentada.

Foi realizado o exercício 166 nº 1.

Captura de tela 2015-04-22 19.02.53

 

No tema 13 a atenção foi voltada para os conceitos de acorde de passagem e acorde de bordadura.

O acorde de passagem caracteriza-se pelo movimento ascendente ou descendente por grau conjunto na voz do baixo.

O acorde de bordadura caracteriza-se pelo baixo parado.

O movimento das vozes em ambas as situações são, via de regra, padronizados.

Grupo de estudos de harmonia de I. Spossobin

Grupo de estudos de harmonia de I. Spossobin

Na reunião de 25 de março de 2015 foram discutidos os temas 9 e 10.

Do tema 9 foi focalizada a fraseologia no que diz respeito à localização do encadeamento cadencial C64 nas frases.

Foi selecionado o exercício 115 nº 9

Tema 9 exercício 115 nº 9Captura de tela 2015-04-20 12.33.03

No tema 10 a atenção foi voltada para o aumento de possibilidades de dobramento da 5ª e da fundamental. Lembremo-nos que nos encadeamentos com tríades no estado fundamental o dobramento permitido é o da fundamental.

Focalizaram-se dois parâmetros:

1) para as formas dos acordes quanto às posições estreitas ou afastadas nas tríades e as posições mistas nos acordes de 6ª.

2) para os dobramentos.

O entendimento desses dois parâmetros pode ser verificado na realização do exercício 137 nº 2

Tema 10 exercício 137 nº 2Captura de tela 2015-04-20 12.33.30

Na reunião de 8 de abril de 2015 foi discutido o tema 11 que apresenta os modelos de como realizar saltos nos encadeamentos de tríades com acordes de 6ª.  A atenção deve ser voltada para o fato de que se tais saltos melódicos harmonizassem duas tríades em estado fundamental, deles resultariam 8as ou 5as paralelas nas vozes extremas. Por isso, para a correta condução das vozes é indispensável que um dos acordes seja de 6a.

Foi selecionado o exercício 152 nº 1

Tema 11 exercício 152 nº 1Captura de tela 2015-04-20 12.05.40